Reprodução: UNICEF

Dados da ONU apontam que, no mundo, uma em cada dez meninas falta às aulas durante o período menstrual. No Brasil, esse número é ainda maior: uma entre quatro estudantes já deixou de ir à escola por não ter absorventes.

O motivo é a falta de dinheiro para comprar absorventes femininos. Por conta disso Desde 2014, a Organização das Nações Unidas (ONU) considera o acesso à higiene menstrual um direito que precisa ser tratado como uma questão de saúde pública e de direitos humanos.


Estudos apontam que a cada ciclo menstrual, a mulher gasta em média 30 reais. Dinheiro que faz falta para quem mal tem o que comer.

A média de idade no momento da ocorrência da primeira menstruação para as mulheres brasileiras é de 13 anos, com quase 90% das mulheres tendo essa primeira experiência entre 11 e 15 anos de idade, período da vida em que elas dependem dos pais para a compra do absorvente.

Para reduzir a pobreza menstrual a diretoria da festa do círio de Nazaré está arrecadando absorventes para serem distribuídos para mulheres carentes nas comunidades católicas. Os doadores podem depositar qualquer quantidade do produto na barca que está em exposição na praça santuário ou fazer qualquer doação pelo PIX: secretaria@ciriodenazare.com.br