Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

A partir desta terça-feira (16), qualquer pessoa com idade a partir de 12 anos pode buscar um posto de saúde em Belém para garantir a 1ª ou a 2ª dose da vacina contra a Covid-19, ou a 3ª dose, também chamada de “dose de reforço”, caso tenha recebido a 2ª há pelo menos seis meses. A Secretaria Municipal de Saúde (Sesma) disponibilizará imunizantes nas salas de vacinação de 50 Unidades Básicas de Saúde (UBS) e Unidades de Estratégia da Saúde da Família (USF) da capital e distritos, e em mais dois shoppings de Belém, o Boulevard e o Bosque Grão Pará. As unidades de saúde irão funcionar das 9h às 17h e as salas de vacina instaladas nos shoppings, das 10h às 20h.

Poderão comparecer para se vacinar todos aqueles que ainda não receberam a primeira ou a segunda dose, bem como os idosos (60 anos de idade ou mais) e os profissionais da saúde, que receberam a segunda dose até julho e que ainda não receberam a terceira dose, assim como os imunossuprimidos. Essa “dose de reforço” deixa de ser restrita a determinados grupos, podendo ser aplicada em qualquer pessoa que tenha a partir de 12 anos de idade após seis meses.


O diretor de Vigilância em Saúde da Sesma, Cláudio Salgado, afirma que esse novo momento da campanha de vacinação tem como objetivo ampliar a possibilidade de garantir a proteção a toda a população. “A adesão à vacina está dentro do que a gente esperava. Na realidade, havíamos previsto para dezembro o fim desse primeiro momento, mas conseguimos encerrar antes, com quase 89% de vacinados com a 1ª dose e 80% com as duas, o que é bastante significativo”, avalia.

Ele comemora o impacto positivo da vacina, que praticamente zerou a ocupação de leitos de Covid há algum tempo em Belém, mas lembra que há países com índices de imunização iguais ou semelhantes ao da capital paraense que estão vendo subir novamente o número de infectados. “Temos visto, em outros países, recrudescência por conta da parada do uso de máscaras, da volta das aglomerações. Holanda, Alemanha, Áustria são países que têm um percentual de vacinação igual ao de Belém, e com esse comportamento lá o vírus ganhou força de novo. Apesar de quase 90% vacinados com a 1ª e 80% com a 2ª, que é bastante alto, ainda temos por volta de 100 mil pessoas sem qualquer dose”, revela.

Claudio Salgado estimula a administração da 3ª dose justamente para impedir uma queda de imunidade mais à frente. “É importante porque a gente já sabe que há uma queda dos níveis de proteção, de anticorpo, de imunidade celular a partir dos seis meses, então é importante o reforço. E depois desse reforço, a resposta é muito alta. E dali em diante provavelmente haverá um reforço anual, como já fazemos com outras vacinas”, detalha o gestor. Para se vacinar é necessário apresentar RG, CPF e comprovante de residência. Em caso de segunda ou terceira dose, deve ser apresentado o cartão de vacinação de Belém.