O Paysandu vive um bom momento na temporada e segue invicto na Série C do Brasileiro. A goleada aplicada sobre o Botafogo-SP aumentou ainda mais a confiança da equipe. Com nove pontos conquistados em cinco jogos, os bicolores ocupam a sexta colocação do G-8. O zagueiro Bruno Leonardo vê o Papão como favorito na competição.

“O Paysandu é uma equipe temida na Série C, é um time que tem tradição e uma história magnifica. Os outros clubes enfrentam o Paysandu com um temor maior. Os adversários tem uma motivação maior só por ser o Paysandu. Somos a equipe a ser batida na Série C”, destacou.

O próximo adversário do Papão será o São José, mas não somente isso. Os bicolores irão encarar um gramado sintético, frio e uma viagem de mais de 11 mil quilômetros. O Lobo tem o melhor ataque da competição com 12 gols marcados. Já o Zequinha tem Cristiano como artilheiro do campeonato. Bruno Leonardo acredita em uma partida bem aberta entre as equipes

“Nosso time é bastante ofensivo e eles tem o artilheiro da competição, difícil dizer que será um jogo de retrancas. É um campo atípico para a gente, tivemos uma semana de preparação em Belém. Acredito que será um jogo aberto, o Paysandu irá propor o jogo”, comentou.













|













Texto Auxiliar:
Alinhamento Texto Auxiliar:
Link Externo:
Alinhar à esquerda:
Alinhar à direita:
Alinhar ao centro:
Fullscreen:
Fullscreen Exit:



 

Bruno Leonardo chegou para ser titular na zaga, mas começou atuando como lateral-direito e, logo em seguida, de volante. Contra o Botafogo-SP, esteve na zaga ao lado de Genílson, mas foi para a “volância” bicolor após a entrada de Lucas Costa. Ele avaliou essas trocas de posição que vem fazendo, sendo visto como o “coringa” de Márcio Fernandes.

“Temos que nos deslocar e fazer outras funções, não por algo individual, mas por conta da equipe. O nosso primeiro volante é o Mikael, algumas vezes ele precisa ser substituído e estou pronto para ajudar quando necessário. Sou zagueiro de origem, mas joguei muito tempo como volante, ajudo na lateral direita. Nós, jogadores, somos funcionários de uma empresa, de um clube gigante. Estamos aqui para ajudar. Isso vai mais para a comissão técnica”, finalizou.

Read More