A Prefeitura de Belém abrirá, hoje (3), a vacinação contra a covid-19 para pessoas nascidas nos anos de 1982, 1983, 1984, 1985, 1986, 1987 e 1988, que por algum motivo perderam a primeira chamada da vacinação. Estas terão mais uma chance de garantir a primeira dose da vacina. A meta da Secretaria Municipal de Saúde (Sesma) é vacinar 27 mil pessoas nesta sexta-feira (03).

Ontem (2), a Secretaria Municipal de Saúde (Sesma), finalizou mais um calendário de imunização, com a aplicação da segunda dose da Astrazeneca para as pessoas nascidas nos anos de 1972, 1973, 1974 e 1975, e que tenham tomado a primeira dose até o dia 30 de junho. A Sesma iniciou o esquema vacinal de segunda dose na última segunda-feira (30), para públicos de várias idades, com imunizantes da Pfizer e AstraZeneca. A expectativa era vacinar cerca de 100 mil pessoas nestes quatro dias.


Já no sábado (4), serão vacinados com a segunda dose da vacina da Pfizer as pessoas nascidas entre os anos de 1962 e 1978, que tenham recebido a primeira dose até o dia 30 de junho. Receberão imunização ainda com a segunda dose da vacina da Astrazeneca as pessoas nascidas nos anos de 1976, 1977 e 1978, que tenham recebido a primeira dose até o dia 30 de junho. A meta é vacinar 23 mil pessoas neste dia.

No Colégio do Carmo, no bairro da Cidade Velha, o fluxo de usuários era intenso, com filas formadas na entrada e no interior da instituição. O servidor público Fábio Bessa, 48 anos, disse que vacinou a primeira vez no local e esperava que o movimento fosse grande, porém, seria melhor para a logística de trabalho. “A primeira vez eu vacinei aqui mesmo e vim pela parte da tarde. Tinha muita gente, mas optei por vir novamente porque sou servidor do Tribunal de Justiça, então fica bem perto do meu local de trabalho. Já esperava que desse bastante gente, mas achei esta organização melhor do que na primeira dose”.

Em outro ponto bastante procurado, no Cassazum, no bairro do Marco, a demanda também era intensa, com fila ao longo da travessa Perebebuí. No interior do clube, o cenário era semelhante, com usuários aguardando a vez para a triagem e a aplicação da vacina. A cabeleireira Ana Célia Santos, 47 anos, contou ter ficado agradecida ao ter se vacinado. “Gratidão à ciência e à Deus. Não tem outra palavra, é somente gratidão e sensação de alívio, de esperança. Espero que as pessoas tenham a consciência de tomar a segunda dose, que é muito importante para as nossas vidas e para a das pessoas da nossa família. Não estamos só nos protegendo, mas também protegendo familiares e amigos. Espero que a pandemia acabe e que logo possamos voltar à nossa vida normal para podermos nos abraçar e reunir com amigos”.