Foto: Joyce Ferreira/Ag. Belém

Cerca de 30 milhões de brasileiros não sabem o que comer no dia seguinte e a pobreza, volta a fazer parte desse cenário de um Brasil em desenvolvimento, que retornou a configurar como um país sub-desenvolvido.
O reflexo de todo esse cenário aparece também na moradia. Segundo estudo feito pelo Mapa Biomas, Belém é a segunda capital brasileira com maior crescimento de favelas. Ainda de acordo com o estudo, nos últimos 35 anos a capital paraense teve um aumento de 48% das áreas de ocupação, perdendo apenas para Manaus que teve aumento de 51%.
Isso significa que a cidade de Belém sofre com o desordenamento nas áreas ocupadas, onde não chegam os serviços público e quando chegam são precários e ainda em muitos casos desviados.
Em Belém o desordenamento cresce principalmente próximo as bacias hidrográficas, com as moradias conhecidas como palafitas.
Um desafio para os gestores que precisam combater doenças geradas pelas condições precárias de moradia por causa da exposição ao risco.