O Campeonato Paraense da Segunda Divisão continua suspenso e os prejuízos são apontados pelos clubes e isso não é exclusividade do Amazônia Independente, mas outro time também alega problemas fora de campo.

O Caeté amarga prejuízos desportivos, financeiros e até psicológicos após conseguir o acesso dentro de campo ao vencer o Parauapebas, porém não esperava uma nova suspensão da competição e amarga prejuízos.


Em conversa com o DOL, o presidente do clube bragantino, Rodrigo Barata informa os prejuízos do clube que continua em atividades apesar da paralisação da competição.

“Não temos nada a ver com o problema e estamos sofrendo as consequências por conta da causa jurídica. O torneio era para ter terminado no dia 4 de dezembro e com isso teremos que pagar uma folha a mais para atletas e comissão técnica e não estamos tendo ressarcimento”, afirma.

“Estamos treinando normalmente. Ninguém foi dispensado e a gente continua. Vale destacar o prejuízo financeiro e psicológico que o clube está enfrentando”, completa.

Marcada para a próxima sexta-feira (10), o Tribunal de Justiça Desportiva (TJD-PA), vai julgar o recurso do São Raimundo contra o Parauapebas, que pode mudar os rumos da Segunda Divisão Paraense.

(DOL)