Desde que chegou ao comando técnico do Clube do Remo, Givanildo Oliveira deu nova cara ao Clube do Remo. Mesmo com a derrota no jogo de ida das semifinais para o São Raimundo, o treinador conquistou cinco vitórias na competição Estadual, com bom desempenho em campo. Ao lado do auxiliar Netão, Giva conseguiu levar equilíbrio tático à equipe, algo pouco visto no grupo no começo da temporada. O próprio comandante parabenizou os atletas pela resposta dada nas últimas partidas, principalmente pela vaga à final do certame.

Todavia, Givanildo deixou claro que a comemoração, de fato, só irá acontecer na última partida do campeonato. “Fico contente, sim, pelo rendimento da nossa equipe. Tivemos a sequência de vitórias. Não só pelo clássico, mas por aqueles dois jogos fora de casa. Então, eles estão de parabéns. Mas deixei claro que só podia comemorar quando tivesse vencido o último jogo da competição, quando fosse campeão. Disse para eles que nós passamos e não conquistamos. Estamos jogando bem, é aguardar o resultado do clássico do próximo domingo, e aproveitar essa semana para recuperar melhor”, explicou o treinador.


Com a oportunidade de levantar o seu terceiro título seguido em competições estaduais, o treinador disse que o caneco do Paraense, caso venha, será fruto de uma identidade instaurada no Remo. E, apesar do curto tempo à frente do Leão, com um mês completado hoje, Givanildo Oliveira relatou como deu forma ao plantel. “A verdade é que eu encontrei o time com poucas peças, a maioria por contusão. Foi preciso muita conversa, mas o principal, é que eu trato eles como filho, certo? E passo isso para eles. Agora, filho também apanha. Não basta só a conversa, eles têm que procurar fazer o melhor. Assim, a gente vai dando forma e procurar sempre fazer um Remo mais forte”, elucidou Giva.

(Matheus Miranda/Diário do Pará)