Paysandu vai à cidade de Castanhal, no dia 10 de fevereiro, para enfrentar o time homônimo da cidade, no estádio Modelão, com a missão de se manter invicto e na liderança do Grupo A2 do Parazão 2019. Se o Papão não fez a campanha que sua torcida esperava na edição de 2018, deixando escapar o título da competição para o maior rival, o time ao menos não se intimidou diante do Japiim, batendo os donos da casa, por 4 a 2, no mesmo local de seu próximo jogo. O objetivo, agora, é repetir o resultado e, de preferência, com a mesma tranquilidade que teve em grande parte do confronto, quando chegou a estar vencendo por 4 a 0.

Líder do Grupo A2 do Parazão, com duas vitórias e, consequentemente, seis pontos, à frente de Independente e Paragominas, que perdem no saldo de gols, segundo critério de desempate, o Paysandu espera voltar para Belém trazendo na bagagem mais três pontos e, ao mesmo tempo, uma boa dose de motivação para encarar, em sua próxima partida, o maior rival o Clube do Remo. O técnico João Brigatti aproveita a folga na tabela do campeonato, que ele classificou como “bastante extensa”, para deixar sua equipe afinada, sobretudo no setor de defesa, que andou claudicante diante do São Francisco e do Bragantino.

A pretensão do treinador é arrumar a “cozinha” do time da melhor maneira possível, sem se descuidar, no entanto, do meio de campo e ataque. Tudo para evitar que se repita este ano, o sufoco de 2018, registrado na reta final da partida, quando o Japiim reagiu na reta final da partida, marcando dois gols em cinco minutos. Evidente que Brigatti nada teve a ver com o jogo em que o Papão foi orientado pelo técnico da época, Marquinhos Santos, mas ele já deve ter sido alertado do ocorrido no Modelão.


FORMAÇÃO DO TIME

Ontem, o técnico ministrou, pela manhã, no Centro de Treinamento da Desportiva, em Marituba, um treino tático, passando a ideia de que poderá mexer na defesa e no meio de campo da equipe. Sem o lateral Bruno Oliveira, em recuperação da torção sofrida no joelho direito, Brigatti voltou a utilizar o volante Caíque Oliveira, como fez diante do Bragantino, na defesa. Ele também testou Perema, alternadamente, ao lado de Micael e Victor Oliveira.

Mas o que mais chamou a atenção foi a entrada de Marcos Antônio no meio de campo ao lado de Jhony Douglas e Leandro Lima, substituído por Alan Calbergue, que no decorrer do treino acabou cedendo seu lugar a Thiago Primão. A formação do começo do treino teve Mota; Caíque Oliveira, Victor Oliveira, Micael e Bruno Collaço; Jhony Douglas, Marcos Antônio e Leandro Lima; Nicolas, Vinícius Leite e Paulo Rangel.

(Nildo Lima/Diário do Pará)