O caso de homofobia que envolveu membros de torcidas organizadas do Paysandu terá um novo capítulo nos próximos dias. A Procuradoria do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) recorreu do resultado que absolveu o Paysandu pelos atos causados na partida contra o Luverdense-MT, em partida realizada no dia 30 de junho, no estádio da Curuzu, pelo Campeonato Brasileiro da Série B.

A data do novo julgamento ainda não foi marcada, mas o departamento jurídico do Paysandu já trabalha para evitar que o clube alviceleste seja punido, seja com mando de campo ou até a perda de três pontos na classificação da Segundona, além de pagamento de multa.

O Papão está na 16ª posição da Série B e, no encerramento do turno, o time bicolor terá Santa Cruz-PE e Figueirense-SC.


ENTENDA O CASO

Uma torcida organizada do Paysandu, a Alma Celeste levantou a bandeira LGBT na partida contra o Santos-SP, em uma campanha contra a homofobia no futebol. O gesto não agradou membros de uma torcida organizada extinta do clube, que entrou em confronto com a referida torcida após a partida contra a Luverdense-MT, no dia 30 de junho, no estádio da Curuzu pela Série B do Brasileirão.

O gesto chamou atenção da imprensa nacional, que premiou a torcida por atos que combatem a homofobia no futebol.

(DOL)