Em clássico, o confronto não termina após o apito final do árbitro responsável pela partida. Logo em seguida ao término do jogo, fora das quatro linhas, a disputa permanece. Porém, ao invés dos gramados, a disputa ocorre fora, sob o comando dos torcedores. Na noite de ontem, depois do Re-Pa que, pela terceira vez seguida no ano encerrou com vitória para o Clube do Remo, por 2 a 1, diante do Paysandu, as torcidas das agremiações demonstravam suas reações provocadas pelo placar. Enquanto os remistas comemoravam novo triunfo, fazendo a tradicional “encarnação” nos rivais, os bicolores, por sua vez, estampavam a irritação em seus rostos, justamente por novo tropeço frente ao rival.

Confiantes pela vitória e, acima de tudo, pela vantagem para o jogo do próximo domingo (8), já que o Leão conta com o empate para levantar a taça do Estadual, os remistas aproveitaram a oportunidade para zoar o rival, porém, com certas críticas e bom humor. “Esse time (Paysandu) é freguês, rapaz. Quero só saber qual vai ser a desculpa agora. Domingo é outra ‘pisa’ em cima deles, porque o vovô Giva tem estrela e não vai perder agora”, disse o torcedor Edinaldo Melo, cozinheiro “Só acho que tem que melhorar essa saída de bola. O time tomou sufoco que não pode. Mas o velho sabe das coisas e vai ajeitar, porque domingo é dia de título”, completou.


Ressabiados, os bicolores encontraram na deixa da nova derrota, a chance de meter a colher no comando tático do Papão. “Traz esses caras a peso de ouro e não rendem. Assim não dá para confiar. O time não jogou mau, mas perdeu de novo. O (técnico) Dado Cavalcanti precisa melhorar, porque se jogar essa bolinha de novo, sei não…”, diz o torcedor Fernando Oliveira.

(Matheus Miranda/Diário do Pará)